novembro 30, 2010

UM FADO PARA OUVIR E VER

video

GENTE DO FADO

Dia 05 – Fadista do Porto, Maria Ana Bobone

Dia 06 – Fadista portuense, Manuel Renato

Dia 06 – Fadista, Conceição Freitas

Dia 08 – Guitarrista portuense, Adão Pereira

Dia 09 – Guitarrista e Fadista, Carlos Macedo

Dia 13 – Fadista nortenho, Manuel Granja

.





Dia 06 – Apresentador, José Malheiro, 2006

Dia 14 – Fadista, América Rosa, 2002

22 ANOS DE FADO 1988/2010

.

2008 / NELSON DUARTE

Fado Acácio / Acácio Gomes

MEU ENLEVO, MINHA MÃE

.

Ó minha mãe, minha mãe

Meu enlevo e doce bem

Minha vida meu destino

Em teu colo ainda moro

E me deito quando choro

E assim desde menino

.

Nas horas boas e más

Que a vida sempre nos traz

Não me falta teu carinho

Vens sempre com teu calor

E o teu divino amor

Apontando o meu caminho

.

És meu Sol minha luz

Sou teu filho tua cruz

E o teu fado também

E pelas dores que tiveste

Pelo amor que me deste

Obrigada minha mãe

.

2008 / NELSON DUARTE

Fado Louco / Alfredo Marceneiro

DILEMA

.

Ando a tentar esquecer-te

Mas já vi que não consigo

Pois o medo de perder-te

Ainda vive comigo

.

Eu não quero mais lembrar

Os teus olhos o teu rosto

Mas volto sempre a sonhar

Com as coisas que mais gosto

.

Nunca sais da minha mente

P´ra viver de ti preciso

Não posso por mais que tente

Esquecer o teu sorriso

.

Tento a boca amordaçar

P’ra não falar no teu nome

Mas não consigo calar

A mágoa que me consome

.

Só Deus sabe este castigo

Que na vida ando a viver

Esquecer-te não consigo

Por mais que tente esquecer

.


.

2008 / PATRÍCIA FERNANDES

Fado Proença / Júlio Proença

DESEJOS SOFUCADOS

.

Só o destino é culpado

De pôr os dois neste fado

De mãos dadas a sofrer

Por um amor que é segredo

Que só não vinga por medo

Morrendo assim ao nascer

.

Sufocamos os desejos

Numa promessa de beijos

Que não chegamos a dar

P’ra ninguém ser magoado

Foi cada um p’ra seu lado

Fiquei sozinha a chorar

.

Dizer adeus faz doer

E as palavras por dizer

Foram teu rosto molhado

Era tão grande a ternura

Mas só ficou amargura

Neste poema sem fado

.


MINHAS PALAVRAS SENTIDAS


LAPSO DE TEMPO

.

Fecho os olhos…

E vejo-te chegar, linda como sempre

Vestido curto de seda, andar atraente

Dás-me um beijo, lábios frescos

Tua boca sabe a frutos secos

Ameixa, pinhão e avelã

A língua com sabor a chá

Aperto-te num abraço

Entre nós não há espaço

Na palma da mão sinto teu seio

Apenas o tecido fino de permeio

Nas tuas coxas de pele de lírio

Dançam meus dedos em delírio

Tuas mãos em meu rosto, que ternura

Meu corpo em teu corpo, que loucura

Abro os olhos…

.

Continuo só

Foi um lapso de tempo.

novembro 15, 2010

UM FADO PARA OUVIR E VER

video

GENTE DO FADO

Dia 24 – Fadista do Porto, Gina Santos

Dia 27 – Fadista portuense, Lourenço Carvalho

Dia 30 – Nelson e Odete Duarte, (Anos de casados)



Dia 16 – Poeta António Aleixo, 1949

Dia 27 – Violista Paquito, 2004


22 ANOS DE FADO 1988/2010

2006 / JULIETA RIBEIRO

Fado Cuf /Alfredo Marceneiro

ENCONTREI-ME EM TI

.

Perdida andei na vida sem ter norte

Por mim até ao vento perguntei

Maldisse a triste sina a minha sorte

Abraçada ao meu fado eu só chorei

.

Fui noite mas não vi a madrugada

Encontrei-me segura em tua mão

Seguimos só os dois naquela estrada

Na desventura amor és meu irmão

.

E juntos nesta sina neste fado

Por muito meu amor que nos queremos

Vamos viver a vida lado a lado

E nunca um do outro nos perdermos

.

Amamo-nos com raiva com loucura

O destino ao juntar-nos quis assim

Já não ando mais à minha procura

Agora olho em teus olhos e sei de mim


2007 / JOAQUIM DUARTE

Fado José António / António Sabrosa

O MEU CHORAR

.

Com os teus dedos limpaste

Uma lágrima em meu rosto

E lembro que até choraste

Emanada em meu desgosto

.

É feio se um homem chora

Dizem para aí sem razão

Eu penso que só não chora

Quem não tiver coração

.

No sentir e na garganta

Há um modo de cantar

Há muita gente que canta

Com vontade de chorar

.

Sei que choro mas não sei

Se foi dor o que senti

Tantos desgostos te dei

E ainda choro por ti



MINHAS PALAVRAS SENTIDAS

A DOR

.

Sinto as veias latejarem de saudade,

na ansiedade de te ver

.

Quando esse dia chegar

vou correr sem parar

na ânsia dos teus braços

Não quero perder mais passos

e vou dizer ás pessoas:

— Com licença que vou com pressa,

quero dar ao meu amor

um beijo por cada lágrima

que ela chorou de dor.

— Desculpem, quero passar,

quero dizer-lhe obrigado

por ela me ter esperado.

.

E quando ao pé de ti chegar

não tardes, rasga o vestido

e dá-me os seios para beijar.

.

Para esta dor, meu amor…

Por fim, acabar.